sábado, 27 de maio de 2017

Concurso Adobe



No início deste ano, para celebrar o 25º aniversário de Premiere Pro, a Adobe lançou a competição denominada "Make the Cut". Os editores criativos (profissionais e aspirantes) foram convidados a editar um vídeo de Imagine Dragons usando os brutos de filmagem exclusiva de seu único "Believer" (que foram fornecidos pelo diretor Matt Eastin). Make the Cut recebeu quase 9.000 submissões de 28 países, incluindo cortes do Reino Unido, Alemanha, Índia, Japão, Filipinas e Ilha Norfolk. A Adobe diz que 60% das entradas vieram de jovens criadores com menos de 25 anos. Os cortes vencedores são, na minha opinião pessoal, realmente impressionantes.



O melhor vídeo, julgado pela originalidade e criatividade, o uso do Premiere Pro CC, e apelo geral:




Edição de Cor no Premiere: Painel Lumetri

 Cor é, sem dúvida, uma das componentes mais importantes de qualquer vídeo na medida em que  afetam de diferentes formas o visualizador, psicologicamente e emocionalmente, mediante a sua matiz, saturação e contraste da cor usada, permitindo-nos comunicar mais facilmente. Assim, neste post irei falar um pouco sobre as ferramentas de edição de cor do software de Adobe Premiere Pro CC, nomeadamente do painel Lumetri (disponível a partir da versão 2015 do Premiere Pro CC), muito importante neste contexto.


 Um painel Lumetri é composto por vários escopos que nos permitem ler a cor numa imagem e de se obter alguma informação gráfica sobre os tons da imagem, indicando a concentração e posição de cada um dos tons de cor desde o branco puro até ao preto, num único frame. É muito importante saber ler um painel Lumetri, porque nos dá, de forma rigorosa, uma ideia da cor real da imagem, a qual não conseguimos ver por completo a partir do nosso monitor (que pode apresentar cores num tom mais quente ou mais frio do que o real).


 Existem várias opções para auxiliar  a edição de cor num vídeo. Temos a Correção Básica (Basic Correction), que nos permite compor algumas imperfeições de cor que resultaram das definições da nossa câmara usada para gravar os clips de vídeo. Assim, com esta ferramenta conseguimos alterar algumas definições do vídeo como o contraste da cor, a sua exposição e saturação, contando ainda com um software de correção dos tons brancos da imagem.


 Por outro lado, temos as opções de nivelamento de cor (color grading) que são representadas por três janelas: Criativo (Creative), Curvas (Curves) e Rodas de Cores (Color Wheels), que nos permitem alterar a gosto a matiz das sombras, dos destaques assim como nos fornecem múltiplos filtros feitos por nomes da indústria da Fotografia como a Kodak ou a Fuji.


 Para corrigirmos os tons brancos do nosso vídeo basta clicarmos no ícone do conta-gotas, situado dentro do separador "Basic Correction", e selecionarmos uma parte da imagem que, supostamente, deveria ser branca, de forma a corrigir o tom geral da imagem, dando um aspeto mais natural ao nosso vídeo. Uma boa maneira de fazer isto é selecionando a esclera ocular (parte branca do olho), isto porque, por supostamente ser de um branco puro, acaba por representar um bom ponto de orientação para a correção de cor numa imagem.


 Por fim temos mais duas ferramentas: a ferramenta HSL, ou Hue-Saturation-Lightness (Matiz, Saturação e Luminosidade), que nos permite alterar os valores em questão de uma cor em particular, presente no nosso vídeo, selecionada com a opção do conta-gotas, e, o Adobe Premeire Pro CC conta também com a ferramenta Vignette (Vinheta), que possibilita a criação de um efeito mais cinematográfico, atribuindo ao vídeo uma vinheta customizável.


Para mais informações sobre edição de cor com o Adobe Premiere Pro CC, segue aqui um vídeo explicativo publicado pelo utilizador tutvid na plataforma YouTube:


fontes:https://www.youtube.com/watch?v=mczjZSbGqW4 (consultado a 27/05/2017)
https://www.youtube.com/watch?v=3MgIujDTdm8 (consultado a 27/05/2017)
https://www.youtube.com/watch?v=0VDbf9VsZ88 (consultado a 27/05/2017)

O recente update do Premier Pro 11.1.1 irá parar a NLE de apagar os seus ficheiros media

O blog Creative Cloud da Adobe tem os detalhes sobre a atualização do Adobe Premiere Pro 11.1.1, que deve impedir que o aplicativo seja excessivamente zeloso quando arrumar os arquivos do Media Cache. Se é um usuário do Adobe Premiere Pro e recentemente atualizou para a versão mais recente, provavelmente deve parar o que está a fazer e atualizar novamente para a versão mais recente.




Consultado a 27 de Maio de 2017






CURSO COMPLETO ADOBE PREMIERE EM APENAS 1 AULA



Data:27/05/2017

DJI Spark mini drone controlado por gestos



Os rumores confirmaram-se: a DJI lançou um mini drone com câmara, o Spark. Um drone que, segundo o fabricante, foi criado para «capturar os melhores momentos da sua vida rapidamente». Com 300 gramas de peso e muito compacto, o Spark pretende funcionar como uma câmara pessoal voadora que o utilizador pode transportar para todo o lado. É notório, até pelas imagens apresentadas pela DJI, que esta marca aponta o Spark a famílias e adeptos de “atividades outdoor”.

Segundo a DJI, o Spark é o primeiro drone que pode ser controlado totalmente por gestos através de um sistema de comando que a marca designou por PalmControl. Quanto ativado no modo de controlo por gestos, o Spark reconhece gestos da mão do operador para afastar o drone, tirar uma selfie e pedir o regresso. A marca garante que este drone fica pronto a funcionar em segundos e que é muito fácil de usar. Para o efeito existem modos QuickShot inteligentes em que o drone movimenta-se automaticamente. O modo Rocket faz o drone levantar a alta velocidade na vertical mantendo a câmara virada para baixo com o utilizador no centro do enquadramento; o modo Dronie é semelhante, mas o aparelho sobe na diagonal; o Helix faz o drone subir enquanto roda em volta do utilizador; e o Circle, como o nome indica, roda em volta do motivo. Alguns dos modos disponíveis em outros modelos da DJI estão também disponíveis no Spark, como o TapFly (o utilizador toca no ecrã do smartphone para definir para onde deve voar o drone) e o ActiveTrack (o drone reconhece o motivo e segue-o, mantendo-o no centro da imagem).

Além do controlo gestual, o Spark pode ser controlado através de um comando remoto dedicado ou através do smartphone. Ms só quando se usa o comando dedicado é que é possível usar o SportMode, que permite que o drone atinja os 50 km/h.

Câmara FullHD estabilizada

Os rumores sobre o Spark indicavam que a câmara seria a mesma do Mavic Pro, com suporte para vídeo em 4K. Mas estes rumores estavam errados, já que o Spark está limitado a Full HD. Ainda assim uma resolução muito elevada para o segmento de preço e dimensão do aparelho. O sensor de 1/2,3 polegadas pode ser ainda usado para captar fotos de 12 megapíxeis.

O estabilizador (Gimbal) funciona sob dois eixos e é reforçado por uma estabilização digital, que, segundo a DJI, garante imagens muito suaves e livres dos efeitos de “corte” de imagem.

No que a sensores diz respeito, o Spark parece ser muito semelhante ao Mavic Pro, com câmara 3D frontal e sistema de visão inferior para detetar e evitar obstáculos. Este último sistema permite manter o drone estável mesmo em espaços fechados. No exterior, os sistemas de posicionamento por GPS e GLONASS permitem uma precisão extra.

Como os drones mais recentes da DJI, o Spark é capaz de regressar ao ponto de partida automaticamente, evitando obstáculos que surjam pelo caminho, sempre que o utilizador pressione o botão Return to Home ou caso haja uma falha de ligação.

O Spark está ainda equipado com o sistema de georreferenciação da DJI que garante que o aparelho respeita a regulamentação de voo da zona onde é operado.

O tempo de voo anunciado por carga de bateria é de 16 minutos e a distância máxima de operação é de cerca de 2 km quando a usar o comando remoto dedicado. O vídeo é transmitido em tempo real em alta definição (720p).

Os preços anunciados são de €599 para o drone isolado e €799 para um pacote que inclui, além do Spark, duas baterias, proteções para as hélices, controlador remoto dedicado, um hub de carregamento das baterias e um saco de transporte.
Data: 27/05/2017

Consultoria informática domina entre novas empresas de TIC



A Informa DB revelou que mais de mil empresas foram criadas no sector durante o último ano. 401 são de consultoria e 351 de programação.

Entre Abril de 2016 e Março de 2017 foram criadas 1032 empresas de TIC em Portugal, diz um estudo da Informa DB, realizado para a Microsoft. É a primeira vez no tecido empresarial português que o ritmo ultrapassa as mil.

As actividades de consultoria informática e as actividades de programação informática destacam-se de todas as outras, respectivamente com 401 e 358 novas empresas criadas. Cada área representa respectivamente 39% e 35% do total das organizações.

Com empresas “tecnológicas” ou de TIC, a consultora considera aquelas com actividade além das referidas, no segmento do fabrico de componentes electrónicos, edição de videojogos ou outros programas, processamento de dados e domiciliação de informação (actividade relacionadas), portais de Internet e outras actividades relacionadas com TIC.

A grande maioria das empresas tecnológicas portuguesas pertencem aos segmentos das empresas jovens (entre 1 e 5 anos) e adultas (6 a 19 anos), segundo a Informa DB . E na última década o número de “nascimentos” de empresas de TIC duplicou.

‘A análise mostra-nos um setor que se está a desenvolver a uma grande velocidade, mas que está também a desempenhar um papel relevante no tecido empresarial, já que quase 3% de todas as empresas com menos de cinco anos são do setor tecnológico.’, nota Teresa Cardoso de Menezes, directora-geral da Informa D&B.

É nessa faixa etária que se regista o maior rácio de empresas tecnológicas. Mas o estudo também evidencia que as organizações de TIC vão perdendo peso no universo do tecido empresarial à medida que a suas idades aumentam.

“Em 31 de Março de 2017, estavam registadas 7020 empresas tecnológicas (embora nem todas tenham de facto atividade comercial), que representam 1,8% do total de todas as empresas em atividade em Portugal”, refere um comunicado.

A Informa DB observa que o maior número de empresas de TIC criadas tecnológicas pertence aos segmentos das empresas jovens e das empresas adultas, com 2270 e 2016 empresas. Representaram em 2015, uma facturação de 501 milhões de euros e 1877 mil milhões, respectivamente (dados de 2015).

O universo empresarial não inclui banca e seguros.


Data:27/05/2017

Versão 2017 do Adobe Premiere Pro CC


A versão 2017 do Premiere Pro CC (abril de 2017) traz vários novos recursos interessantes. 


Com esta versão, você pode criar objetos e títulos gráficos com facilidade e diretamente no vídeo usando o novo designer de títulos criado no mesmo mecanismo de texto que o Photoshop e o Illustrator. Também é possível compartilhar modelos de animações com a integração das Bibliotecas da CC, o que auxilia na alteração de variáveis como texto, cor, tamanho, layout ou disposição das animações sem alterar a aparência geral. É fácil obter resultados profissionais de qualidade sem nenhuma experiência ao editar seus áudios no Premiere Pro. Publique com facilidade e comece a contribuir com o Adobe Stock. Alcance milhões de compradores de conteúdo criativo usando a nova opção de publicação direta disponível no Premiere Pro e no Adobe Media Encoder.

Esta versão também inclui um conjunto de outros recursos interessantes, inclusive:
  • Novos efeitos de áudio e integração aprimorada com o Adobe Audition - Envie efeitos de áudio e quadros-chave usados no Premiere Pro para o Audition sem renderização. 
  • Saída de áudio Ambisônico para plataformas habilitadas para realidade virtual (virtual reality, VR), como o YouTube e o Facebook. 
  • Suporte para a Touch bar do Apple MacBook Pro e para o Surface Dial da Microsoft.
  • Suporte para novos formatos.
  • Suporte aprimorado para o Dynamic Link do Projetos de equipe.
  • Desempenho aprimorado 4k 60p para animações.
  • Suporte aprimorado para Apple Metal.
  • Visualização de vídeo de gravação do Stock no painel Bibliotecas e muito mais.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

GH5 e Premiere reunem-se em Junho

No dia 19 de abril, o cinema5D relatou um problema de incompatibilidade entre a última iteração do Adobe Premiere com os arquivos de 10 bits do GH5: quando importados para o Premiere, os arquivos de vídeo não se registavam e eram apenas lidos como arquivos de áudio. Não só isso foi uma deceção para aqueles que foram atraídos para o GH5 para os seus recursos de vídeo avançado, também provou ser um grande soluço para aqueles que atualizados no meio de um projeto sem conhecimento prévio do impedimento.

É importante dizer que nem todos os arquivos GH5 se comportaram desta maneira, com arquivos de 8 bits importados sem problemas. A atualização que irá suportar o GH5 10-bit arquivos estarão vindo em junho. Será um pouco mais longo, mas no verão os arquivos de 10 bits do GH5 e Premiere Pro deve funcionar corretamente.



Consultado a 26 de maio de 2017

Almada Negreiros

Visto que durante o tempo da última aula de Oficina de Multimédia B nos deslocámos à Gulbenkian para ver uma exposição sobre Almada Negreiros e que nas aulas uma das partes da proposta de trabalho 7 consiste em criar uma entrevista deixo aqui um vídeo feito por Manuel Varela entrevistando o artista.






quinta-feira, 25 de maio de 2017

Veja a sede da Adobe



Quando se fala de grandes tecnológicas uma das empresas que se deve ter em conta é a Adobe. Softwares de edição como o Photoshop, o Illustrator e o Premiere são praticamente obrigatórios para profissionais da área, pelo que é fácil perceber a importância desta empresa.
Mais interessante é admirar a sede da Adobe, que para além de estar decorada com grande gosto, oferece também vários espaços de convivência e de co-working. Tal como acontece com outras tecnológicas, a Adobe oferece também ginásio, restaurantes/cafés e pátios ao ar livre a pensar na saúde dos colaboradores.
Esta sede é em San Jose, California.







Consultado a 25 de Maio de 2017