Pesquisar aqui

Monday, October 26, 2020

Os meu exemplos favoritos de automação

 Quando penso em automação que nos aparece no dia a dia, penso nos robôs que nos limpam a casa ou que nos ajudam a cozinhar, mas esses para mim para além de serem uteis são os mais chatos, os meus favoritos são os auto-pilots dos carros da tesla, o robô mais fácil de programar, o Baxter, e ajudantes como a siri e a alexa.
Estes três são os que mais me fascinam pelas seguintes razões o primeiro conduz melhor que toda a gente é mais seguro e melhora quanto mais conduz, o segundo é tão simples de programar que eu podia precisar de ajuda a tirar as compras de um saco e por em cima da mesa, e programar o baxter para o fazer em 5 minutos, e o terceiro é o meu sonho, já que sou esquecido um ajudante é bem vindo, usando a alexa por exemplo posso lhe pedir para me lembrar mais tarde de um compromisso, posso lhe pedir para pesquisar alguma informação no google ou até que me apague as luzes apenas falando com ela, e isso é incrível

Zen 3 e a continuação do cerco à Intel - AMD Ryzen 9 5950X

Por fim, chegamos ao topo da linha dos novos processadores lançados pela AMD, o Ryzen 9 5950X.
É um processador que não é possível comparar com os processadores da Intel de consumidor, porque não é exatamente um processador para os consumidores.


Com um PVP exorbitante de cerca de 800€, o 5950X, apesar do pequeno incremento de apenas 50, comparado com o 5900X, tem 16 núcleos e 32 threads, a uma menor frequência base, de 3.4 GHz, e a maior frequência turbo de todas, 4.9 GHz, apesar de ter o mesmo TDP de 105W que o Ryzen 7 5800X.
Portanto, é um pouco injusto comparar este processador ao 10900K, como se vê na imagem acima, que custa significativamente menos que o novo 5950X.
E completa-se assim esta previsão dos novos processadores da AMD, que como foi referido anteriormente, sairão no dia 5 de novembro, saíndo nesse dia várias análises sobre os mesmos, que irei também incluir no meu blog.

Zen 3 e a continuação do cerco à Intel - AMD Ryzen 9 5900X

Chegamos finalmente à gama de topo da Ryzen, os Ryzen 9, que também significa que o preço começa a aumentar bastante.
Comecemos pelo Ryzen 9 5900X, ao que a AMD chama do "melhor processador para gaming", uma declaração que é preciso ter muita coragem para dizer. 

Com um PVP de cerca de 550€,  o 5900X tem a mesma frequência de base que o Ryzen 5 5600X, mas tem o dobro dos núcleos e threads, bem como o dobro de memória cache de nível 3, o que deverá traduzir-se num bom balanço entre gaming e coisas como renderização e edição de vídeo, e outras coisas que são intensivas no processador. Abaixo podemos ver um gráfico que compara o 5900X com o processado de topo da Intel, o 10900K, derrubando o processador da equipa azul em quase todos os jogos.

Este acaba por ser realmente o competidor do 10900K da Intel, estando sensivelmente ao mesmo preço, se bem que ligeiramente mais caro, mas com uma performance que aparenta ser melhor.
Ainda assim, tal como com todos os outros processadores, esperaremos até ao dia 5 para saber o que realmente estes processadores prometem.




Zen 3 e a continuação do cerco à Intel - AMD Ryzen 7 5800X

Continuando a saga da Zen 3, falemos então de um processador com mais capacidade, mas que ainda chega aos bolsos de algumas pessoas. Da Ryzen 7, temos o 5800X.
Com um PVP de cerca de 450€, o 5800X tem 8 núcleos e 16 threads, atinge uma frequência ligeiramente superior à do 5600X, com 3.8 GHz de frequência base e 4.7 GHz de frequência turbo. Com um TDP de 105W, este processador deixa de vir com um cooler, tendo o consumidor de arranjar uma solução de outro vendedor. 
Pouco mais se sabe sobre este processador em concreto, apenas que será fabricado, tal como os outros processadores desta geração, pela TSMC, uma multinacional do Taiwan, no formato de 7 nanómetros (enquanto que a Intel ainda lança processadores com 14 nm). Resta-nos tal como com o 5600X, esperar pelo dia 5 de novembro para saber o que nos espera da AMD



Sunday, October 25, 2020

Sistema Start-Stop - Entrada 3/Semana 18-25 Out. - Tecnologia no Mundo Automóvel

        Sistema Start-Stop

    O sistema start-stop é um sistema que não é novo no mundo automóvel; é uma funcionalidade que está presente em quase todos, senão todos, os veículos mais recentes que possuem um motor de combustão interna. Tem como objetivo reduzir o consumo de combustível e as emissões de gases tóxicos enquanto o veículo se encontra estacionário. Basicamente, este sistema desliga o motor quando deteta a paragem dos eixos, tendo algumas condicionantes. Por exemplo, quando o motor não está à temperatura ideal ou quando o nível de energia da bateria está baixo, o sistema não funcionará. Este tipo de funcionalidade pode ser ainda desligada, se o condutor assim preferir.
    Os seus benefícios não são questionáveis, uma vez que está mais que provado o impacto no consumo de combustível (como no vídeo abaixo). No entanto, o seu funcionamento tem também algum impacto negativo no veículo. Automóveis com este sistema têm que ter uma bateria e um alternador (componente que carrega a bateria) reforçados, porque a constante repetição de pôr o motor a funcionar utiliza energia adicional, que terá de ser reposta. Infelizmente, estes componentes ainda que reforçados, muitas vezes, dão problemas mais frequentemente do que um veículo que não utilize o sistema, e, por serem reforçados, também são mais caros do que baterias ou alternadores tradicionais. Algo a ter em consideração quando se adquire um automóvel com esta tecnologia.


    Vídeo que comprova o impacto do sistema Start-Stop no consumo de combustível: https://www.youtube.com/watch?v=t8D6N981zo8 (Consultado a 25/10/2020)
        Fonte:https://quilometrosquecontam.com/sistema-start-stop/ (Consultado a 25/10/2020)

    










    

Painéis Solares em automóveis - Entrada 2/Semana 18-25 Out. - Tecnologia no Mundo Automóvel

               Painéis Solares em automóveis

Os painéis solares no teto do Ford C-Max
    Um dos problemas dos automóveis elétricos é a baixa autonomia das suas baterias. Por isso as marcas estão a tentar de tudo para arranjar soluções para este problema. Uma destas tentativas foi da Ford, que criou um modelo híbrido (veículo com motor de combustão interna e unidade elétrica, em simultâneo), que tem no teto vários painéis solares. O modelo em questão é o Ford C-Max Solar Energy, um dos primeiros carros híbridos que utilizou este conceito.

Ford C-Max Solar Energy - um dos primeiros híbridos a utilizar o conceito de regeneração das baterias a partir de painéis solares
 

Fontes:https://exame.com/tecnologia/10-coisas-que-os-carros-terao-no-futuro/ (Consultado a 25/10/2020)
           https://www.razaoautomovel.com/2014/01/ford-c-max-solar-energy-concept (Consultado a 25/10/2020)