quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Photopea - a réplica de Photoshop que permite editar fotografias online




Um editor de imagens replicando o Photoshop foi lançado, mas é gratuito e sem a necessidade de um download. O seu único criador, Ivan Kutskir, afirma ter passado 7.000 horas a criar e a desenvolver o programa. Com sede em Praga, República Checa, Kutskir comprometeu-se a cerca de cinco horas por dia durante três anos e meio para desenvolver o aplicativo, intitulado Photopea.

É um feito incrível, dado que ele fez isso ao mesmo tempo em que estudava ciência da computação na faculdade. O objetivo era "criar o editor de fotos mais avançado e acessível", diz ele.
Qualquer pessoa familiarizada com a interface do Photoshop notará as semelhanças entre os dois; o layout e as ferramentas são quase idênticos. O Photopea suporta a maioria dos formatos (JPG, GIF, PSD) e permite o uso de camadas para edição mais avançada. Há também um prático vídeo de introdução que mostra as semelhanças entre o Photopea e o Photoshop.
Uma grande vantagem é poder acessá-lo em qualquer lugar, em qualquer computador, sem precisar de instalar software - ótimo para emergências de última hora.

Screenshot do menu inicial do programa (muito parecido com o Photoshop!)
O seu esforço consistente parece estar valendo a pena: cerca de 1,5 milhão de usuários foram registrados no mês passado sozinhos. Kutskir conseguiu monetizar a aplicação e, ao mesmo tempo, mantê-lo gratuitamente para os utilizadores ao incluir anúncios, algo que ele adicionou recentemente. Podes experimentá-lo gratuitamente no Photopea!





Devo admitir que sou muito cético e quando fui apresentado, na aula de Aplicações Informáticas B, a este editor no browser, não demorei muito para ficar impressionado com a sua funcionalidade e design. É claro que não é tão completo quanto o Photoshop, mas é mesmo muito bom.



Consultei o site do programa, Photopea, o seu blog oficial e o blog TheDigitalPicture no dia 15/11/2018.

Gerda Taro, os 108 anos da fotojornalista esquecida

 Gerta Pohorylle, conhecida profissionalmente como Gerda Taro, foi uma fotógrafa e jornalista alemã do século XX, que é muitas vezes lembrada por ter sido a primeira mulher a morrer enquanto fazia cobertura de guerra.

 Nascida em Estugarda, teve de deixar a Alemanha aos 23 anos por causa da sua origem judaica e da sua arreigada oposição ao nazismo. Foi para França e, em 1935, conheceu Endre Friedman que a ensinou a fotografar. Envolveram-se romanticamente e, pouco depois, decidiram mudar de nome e criar novas identidades para se integrarem mais no mundo do jornalismo e terem mais sucesso. Gerta transformou-se em Gerda Taro e Endre em Robert Capa.

 O casal começou assim a trabalhar junto e, no ano seguinte, cobriram a Guerra Civil Espanhola. Pouco depois, Gerda começou a sentir-se confiante nas suas competências e decidiu trabalhar sozinha. Por exemplo, registou o bombardeamento de Valência sozinha e também os conflitos em Brunete, perto de Madrid.

 Em Julho de 1937, Gerda morre com 26 anos depois de ter sido esmagada por um tanque na Batalha de Brunete. As fotografias desse dia nunca foram encontradas.

 Apesar da sua curta carreira, a coragem e a dedicação de Taro são refletidas nas suas fotografias, que constituem importantes testemunhos de guerra e conflitos.

 Algumas das suas fotografias:

1936: mulher a treinar com a milícia republicana espanhola

1937: soldados republicanos em Navacerrada, em Espanha

1937: Robert Capa

1937: torre do relógio bombardeada em Brunete, Espanha

1937: Homem a barbear-se, em Málaga, Espanha




Sites consultados:

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Fotografia com flash

O flash é uma fonte de luz pontual usada para auxiliar a iluminar quando fotografamos.
Cada flash seja externo ou incorporado na máquina (built-in flash) cada flash funciona com um disparo de luz branca gerado pelo contacto de um gás com a eletricidade de uma descarga elétrica.
Em função da sua potência, o alcance de cada flash é diferente, tendo um flash com mais potência a possibilidade de iluminar objetos mais distantes. Os flashes incorporados na máquina têm um alcance de aproximadamente 4 metros, enquanto que os externos têm capacidade maior.


Flash Built.in

Built-In Flash

Uma das vantagens de usar o flash da própria máquina é não ser necessário utilizar equipamentos adicionais, ou seja, não é necessário carregá-los nem comprá-los. Além disso, o flash da própria máquina funciona com a bateria da própria máquina, pelo que também não são necessárias outras baterias.

Flash Externo

Flashes externos
Visto que os flashes externos são acessórios comprados à parte da máquina, esses têm um custo adicional. No entanto existe muito mais variedade.
Os flashes externos também são mais fortes, o que se pode observar quando se comparam os guide numbers (números que identificam a intensidade dos diferentes flashes), particularmente com os guide numbers dos flashes das máquinas, podendo ser até 3 vezes mais fortes que estes.
Outra vantagem dos flashes externos é a diferença em termos de altura em relação à máquina. Como os flashes incorporados na máquina ficam diretamente acima da lente, esta pode criar uma sombra em determinadas fotografias.
Estes flashes também disparam a velocidades mais altas que os das máquinas e são mais versáteis na maneira como os queremos usar, podendo usá-los sem serem montados na máquina.
Por fim, os flashes externos também oferecem mais personalização, conforme são mais avançados.


Concluindo, os flashes built-in são mais práticos e uma solução mais barata, mas para fotografia mais profissional, um flash externo pode obter resultados melhores e mais personalizáveis.


Fontes

https://www.dummies.com/photography/digital-photography/built-in-versus-an-external-flash-for-a-dslr-camera/
https://diegorodrigophotography.wordpress.com/2015/06/11/especial-sobre-flash-externo-tudo-que-voce-precisa-saber/comment-page-1/https://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/10/veja-diferencas-entre-um-flash-embutido-na-camera-e-um-flash-externo.html
https://imaging.nikon.com/lineup/dslr/d610/features06.htm




terça-feira, 13 de novembro de 2018

O uso de filtros na fotografia - Parte 2

O Uso de filtros na fotografia – Parte 2


Nesta segunda parte vamos falar dos tipos de filtros que podemos encontrar:


UV e Skylight – Os filtros UV bloqueiam, como o nome indica, a luz ultravioleta, em particular em zonas com mais UV como em altitude ou
zonas equatoriais. Os filtros Skylight são ligeiramente rosados e são usados para contrariar o efeitos dos raios UV que estendem o tom azulado
nas zonas de sombra.


Correção de Cor – de entre os filtros de correção de cor temos:
colored camera lens filters
- filtros de conversão – muito usados para fotografar com luz natural ou artificial sem ter que trocar o filme, e compensar as diferenças
entre temperaturas de lâmpadas photoflood.
- filtros de compensação  - usados para compensar certos tipos de iluminação artificial e dar um aspecto natural
- filtros CC – kits de filtros de correção de cor CMY para neutralizar a dominância de cores diferentes …
Filtros de contraste – diferem dos filtros de densidade por serem coloridos. A sua graduação vai de 0 a 5. São usados para controlar o contraste,
podendo ser usados para aumentar o contraste ou suavizar o contraste de tons. Fotografias com fonte de iluminação geralmente têm excesso
de contraste que devem ser corrigidas com estes filtros.
Infravermelho – Este filtro é usado numa camara com filme infravermelho (infrared) para obter imagens a preto e branco geradas
exclusivamente pela radiação IV.
Os sensores da maioria das camaras digitais são sensíveis ao IV, podendo essa sensibilidade ser bloqueada com filtros. A radiação IV
não tem cor associada, por ser invisível, sendo normalmente tornada visível com cores avermelhadas.
Densidade Neutra (ND) – este tipo de filtro provoca uma redução uniforme da quantidade de luz que incide sobre o filme ou sensor de imagem.
Usa-se em geral com o objectivo de reduzor o EV para obter combinações de abertura e velocidade adequadas para uma foto.
Existem filtros ND de densidade 2X, 4X e 8X que permite baixar o valor de exposição em um, dois ou três pontos.
graduated neutral density camera lens filters


Polarizador – filtros polarizadores são usados para eliminar brilhos e reflexos indesejáveis, como por exemplo as imagens refletidas
nos vidros e montras,
não retirando, porém, o reflexo dos metais. Há dois tipos, o linear e o circular. O circular é ajustável dando ao fotógrafo a possibilidade
de controlar o grau de efeito. O linear é fixo, mas pode ser usado em camaras de filmar ou de ação.B+W Circular Polarizing Filter


Balanço de cores – são usados na fotografia profissional para balancear os brancos em função da iluminação que incide no cenário.
Close up – é um filtro usado para fotografia macro, que permite que a lente se foque mais perto do objeto a fotografar.
Canon 500D Close-Up Filter
Efeitos especiais
- Star – transforma pontos de luz em estrelas de pontas
- Diffractor – difrata os pontos de luz brilhante
- Multi Image – multiplica a imagem em paralelo ou em círculos
- Speed – cria um efeito de rasto linear na imagem
- Cyclone – cria rasto circular
- Radial Zoom – cria rastos radiais
- Kit – vinhetas diversas
- Doble Exposure – para montagem de fotos com dupla exposição
Etc, etc

Referências:


O uso de filtros na fotografia - Parte 1

O Uso de filtros na fotografia – Parte 1


Como o nome indica, um filtro é algo que se coloca em frente da lente para alterar as características da luz ambiente.
Existem uma grande quantidade de filtros para funções bem distintas.


Funções para que são usados:
- Proteger a lente – pura e simplesmente para proteção contra riscos e poeiras
- Corrigir ou sublinhar cores – alterando as cores, corrigindo a temperatura de uma cena, ou tornando certas cores mais vibrantes.
- Auxiliar uma exposição correta – isto é feito bloqueando alguma luz que entra, em particular em ambientes muito luminosos, em que
reduzir o tempo da exposição pode não ser o suficiente.
- Aumentar o impacto de imagens – aumentando o contraste ou as cores, introduzindo reflexos ou outros efeitos.
C:\Users\Cmes44\AppData\Local\Microsoft\Windows\INetCache\Content.MSO\851503F0.tmp
Tipos de formatos de filtros:
- Filtros de enroscar – circulares que são enroscados e montados em frente das lentes
- Filtros de Drop-in – são usados nas teleobjetivas e são normalmente colocados num compartimento especializado na parte detrás da lente.
- Filtros quadrados – estes filtros são usados com um suporte que é preso à parte da frente da lente. Por vezes pode ser necessário
adaptadores adicionais para usar mais do que um tamanho de filtro. São usados normalmente em fotografia de paisagens.
- Filtros retangulares – mais uma vez, são filtros usados para fotografia de paisagem.


all our filters for black and white


Referências:


PhotoGimp


Gimp é um programa open source (código aberto), grátis, que corre em variados sistemas operativos, como Windows, Linux e OS X, que tem ferramentas avançadas para manipulação de imagens.

No entanto, este programa não é tão divulgado como o Photoshop e uma vez que este tem uma interface diferente, poderá tornar-se difícil para pessoas com experiência no Photoshop de se adaptarem.

Contudo, a fim de resolver este problema foi lançado uma interface gráfica parecida com a do Photoshop, que permite os utilizadores habituados ao Photshop se possam adaptar de forma rápida e eficiente.

Nesta mudança pudemos evidenciar:

PhotoGIMP 2017   .A utilização de um tema escuro com disposição espacial das ferramentas e painéis de configuração semelhantes aos do Photoshop.
   . Atalhos de teclas iguais também ao Photoshop.

Para quem esteja interessado pode obter o Gimp em https://www.gimp.org, e depois instale a interface em  https://www.diolinux.com.br/2016/04/photogimp-o-gimp-para-quem-vem-do-photoshop.html.

Fontes:

 https://www.gimp.org/
 https://www.diolinux.com.br/2016/04/photogimp-o-gimp-para-quem-vem-do-photoshop.html

Fotografia Noturna



Usar Tripé

É importante a utilização de Tripé ou outro tipo de objeto que dê estabilidade à câmara, para as fotografias não ficarem tremidas e pouco nítidas. Sempre que utilizares tripé é necessário que desligues o estabilizador de imagem.



Câmara em Modo Manual

Fotografia Noturna implica o controlo da técnica (abertura, diafragma e ISO), então exige que fotografes sempre em modo Manual para obteres resultados aceitáveis. Se utilizares o modo automático, o flash irá disparar, a fotografia ficará tremida e os elementos arrastados.



Usar cabo disparador

Tal como o tripé, é importante a utilização de Cabo Disparador ou Temporizador, porque darás mais estabilidade à câmara e, dessa forma, não irá prejudicar a nitidez da fotografia. Estes são os modos mais comuns de disparar o obturador sem utilizar as mãos.




Utilizar o Modo Bulb

Fazer Fotografia Noturna exige fazer longas exposições para captar a pouca luz existente no local. O Modo Bulb permite, de forma manual, manter o obturador aberto durante mais tempo, fazendo com que mais luz chegue ao sensor.


Fotografar em RAW

O formato RAW é chamado o “negativo da Fotografia Digital” e permite guardar toda a informação capturada pelo sensor da câmara (conhece mais sobre este formato aqui). Na Fotografia Noturna, é necessário que tenhas todo o controlo sobre a imagem final.



Bateria suplente

A bateria descarrega com facilidade com o frio e em longas exposições. É importante que leves uma bateria suplente.




Além de preparares estes 6 itens, para fotografar à noite é necessário compreender as noções básicas de Fotografia, como por exemplo: o ISO, a abertura de Diafragma e o Tempo de Exposição.



Consultei os vídeos do canal do YouTuber Peter McKinnon, e o blog DigitalPhotographySchool, no dia 12/11/2018 e 13/11/2018.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Photoshop



Photoshop
Photoshop é um programa e edição de imagens 2D, desenvolvido pela Adobe Systems em 1987 é considerado como o programa de referência para a edição de imagens digitais profissionais. A última versão é designada por Adobe Photoshop CC (Creative Cloud).
Resultado de imagem para photoshop about


O Photoshop inclui muitas funcionalidades de edição como camadas (layers), ferramentas de “warp”, múltiplos pinceis, a leitura de ficheiros RAW (das máquinas fotográficas digitais), etc. O seu elevado preço levou à sua adoção essencialmente pelo mercado profissional e ao aparecimento de outros programas gratuitos como o GIMP. Para combater isso, a Adobe lançou o Adobe Photoshop Elements que é mais barato e com menos funcionalidades que o Photoshop CC.
Resultado de imagem para photoshop images

O Photoshop suporta a edição de outros programas da Adobe, especializados em determinadas áreas de trabalho, como o Adobe Illustrator (gráficos vectoriais), Adobe Premiere (vídeo não linear), Adobe Effects (efeitos especiais em vídeo), Adobe In Design (edição de texto) e o Adobe Image Ready (para criação de imagens para a web).
Resultado de imagem para photoshop images


O nome da aplicação acabou por se tornar num sinónimo de manipulação de imagem.
Resultado de imagem para photoshop images


A aplicação existe em 20 idiomas e o seu formato padrão é o PSD.


Referências:

domingo, 11 de novembro de 2018

RAW vs JPEG - quais as diferenças?

Fotografar em RAW ou JPEG? Quais são as diferenças? Qual é melhor?


Formato RAW, tal como o próprio nome diz é um formato "cru", isto é, são ficheiros não comprimidos sem pós-processamento que espelham exatamente a luz que chega ao sensor da câmera. Estes ficheiros precisam de ser pós processados ou na própria máquina ou em software como o Lightroom ou Photoshop.

Formato JPEG, é, ao contrário do formato RAW, um formato com pós-processamento feito diretamente na máquina após esta ter sido tirada. Este pós-processamento vai variar de máquina para máquina.

Qual o melhor formato? Embora o formato JPEG seja "uma perda de informação" em relação ao formato RAW já que perdemos bastante da imagem original, não podemos dizer que um é melhor que outro já que cada um é útil para circunstâncias diferentes, cabe ao fotógrafo decidir qual o melhor formato para cada momento.

 
Consultei SLRLounge.com no dia 11/11/18

Novo telemóvel flexível da Samsung

A Samsung descreveu o seu telefóne Infinity Flex Display como a revolução dos telefónes da atualidade.
Quando desdobrado, o dispositivo assemelha-se a um tablet de 7.3 polegadas e quando está fechado fica parecido a uma capa de telemóvel bloqueando o ecrã.

Quando o telemóvel está dobrado o Display fica de 4.85 polegadas com um proporção de 21:9 e uma resolução 840x1, 960 pixels. Tendo uma densidadede 420 dpi.

Fontes:
https://www.reddit.com/r/technology/

Porque utilizar DuckDuckGo em vez do Google?



Aqui estão algumas razões porque deveriamos utilizar o DuckDuckGo em vez do Google:

1. O Google rasteriza tudo o que fazemos online:

A Google segue o que fazemos online para arranjar uma maneira de tentar cativar as pessoas utilizando anúncios de coisas que pesquisa-mos ou ate de websites que visita-mos.


2. O DuckDuckGo tenta criar um ambiente produtivo:
Neste motor de busca existem muitos poucos anúncios para tentar maximizar a produção de conteúdo e cada utilizador tem controlo sobre a sua privacidade online.




Fontes:
https://www.reddit.com/r/technology/
https://www.quora.com/Why-should-I-use-DuckDuckGo-instead-of-Google

Mensagem em destaque

Informações sobre o futuro deste blog

Hoje não vou falar sobre mais nenhum dos iOS em geral pois até à data não foram lançados mais e consequentemente vai fazer com que eu comece...