sábado, 2 de março de 2019

4 gravadores de vídeo grátis para o browser

Screencast-o-Matic:

O Screencast-o-Matic é um dos aplicativos pioneiros na gravação de tela. Permite gravar qualquer vídeo reproduzindo tela do browser. O vídeo que deseja gravar deve ter uma resolução padrão que pode ser entre 640×480, 800×600 ou qualquer outras definições padrão comum. 

Screen Toaster:

O Screen Toaster é ligeiramente superior ao Screencast-o-Matic. Permite gravar a sua tela completa ou apenas uma seção específica, de forma parecida como quando se corta uma foto ou imagem usando o retângulo de corte nos editores, e de seguida basta clicar em Iniciar Gravação. Pode-se usar uma tela de atalho inteligente para iniciar e parar a gravação: basta pressionar ‘Alt’ + ‘S’.

Skoffer:

O Skoffer é um aplicativo útil de gravação de telas. Permite gravar tudo o que estiver exibido na tela do browser e pode integrar o aplicativo num blogue ou página web. Contudo, o Skoffer não disponibiliza muitas opções de exportação e não se pode publicar os vídeos no YouTube, por isso não é tão versátil como o Screencast-o-Matic ou o Screen Toaster.

Apowersoft:

O Apowersoft Online Screen Record é uma das melhores ferramentas gratuitas que se pode usar para gravar a sua tela, permitindo gravar vídeo e áudio simultâneamente. Não apresenta problemas de atrasos, o que normalmente é comum nos aplicativos online para gravar telas. O Apowersoft permite editar os vídeos em tempo real enquanto realiza as gravações de tela. Este aplicativo trabalha sobre a tecnologia JavaScript e o seu formato de vídeo padrão de saída é o WMV. Pode publicar facilmente os vídeos gravados pelo Apowersoft em todos os principais sites de partilha de vídeos, incluindo naturalmente o YouTube. Se você desejar, pode escolher outros formatos de vídeo suportados pelo aplicativo.

5 editores de vídeo grátis!

 Hitfilm Express:

O Hitfilm é um dos mais populares editores de vídeo grátis, que disponibiliza mais de 410 efeitos e é totalmente compatível para Windows.

Shotcut:
O Shotcut foi criado para quem procura um editor de vídeo gratuito, simples e interessante. Oferecendo uma interface bastante intuitiva, assim como todas as suas ferramentas.

Lightworks:

O Lightworks é um software de edição de vídeo a nível profissional de facil utilização. Esta ferramenta está disponível numa versão gratuita, mas existem também uma versão mais completa, contudo é paga. É multi-plataforma, tendo um suporte para Windows, Mac e Linux.

Davinci Resolve:

O DaVinci Resolve é uma ferramenta de edição que combina edição profissional online e offline, correção de cores, pós-produção de áudio e também efeitos visuais. Isto tudo na mesma ferramenta de software. Com um único clique, o utilizador pode alternar entre edição, cor, efeitos e áudio. Esta ferramenta é uma referência para a pós-produção de alto nível e é provavelmente o software mais utilizado na finalização de longas‑metragens.

VideoPad Video Editor:

O VideoPad Video Editor é um editor de vídeo gratuito direcionado especialmente para utilizadores domésticos. Tem uma interface simples e muitos efeitos disponíveis. Para utilizadores mais avançados, o VideoPad também possui funcionalidades para fazer um mix de áudio, correção de cor, controlos de velocidade e de vídeo entre muitos outros recursos.

Storyboard That

O Storyboard That é um site online grátis para criação de storyboards que apenas requer login para utilizar as suas inúmeras funcionalidades.

Este site engloba várias ferramentas que permitem controlar o tamanho do próprio storyboard (adicionando ou retirando células), criar personagens dos mais variados tipos (de seres míticos até animais e monstros) e alterar as suas poses e tamanhos, controlando também as cores e expressões da cara. Também podemos adicionar balões de texto, consoante o tipo de emoção que pretendemos passar, e criar formas planas ou a 3 dimensões para compor situações. Gráficos e emojis também passaram a fazer parte da lista desde a nova atualização e símbolos científicos como o símbolo radioativo.

Como a criação de um storyboard é um processo que pode ser complicado e longo, este site mostra-se uma útil ajuda na sua elaboração e é bastante simples de se utilizar, pelo que a recomendo.


Storyboard exemplo criado por mim como demonstração.




Sites consultados:
Storyboard That

Como um estúdio criou o fantástico mundo da The Wandering Earth neste VFX Reel

Em The Wandering Earth, o sol em breve irá expandir e destruir a Terra, então os engenheiros planejam um plano ambicioso - mover o planeta para outro sistema solar, usando motores gigantes. O primeiro grande filme de ficção científica da China é um filme desastroso, com alguns efeitos especiais extraordinários que dão vida ao mundo. 

Um dos estúdios por trás dos efeitos especiais, Pixomondo, lançou uma análise de efeitos visuais que mostra como um dos estúdios de efeitos especiais criou a futurista Terra congelada e seus enormes motores terrestres. Desde o seu lançamento no mês passado, o filme arrecadou impressionantes US $ 641 milhões e se tornou o segundo maior filme chinês até hoje. Esse é um bom sinal para o mercado de filmes domésticos da China, que vem crescendo nos últimos anos à medida que mais cidadãos vão ao cinema. Este rolo mostra que a Pixomondo criou grande parte dos inúmeros locais e recursos do filme digitalmente - como os enormes motores da Terra, uma Pequim congelada, os enormes veículos que os personagens dirigem e um pouco mais. Grande parte do filme é gerado digitalmente, mostrando o quão longe a indústria chegou.





Consultei o site The Verge no dia 02/03/2019.

sexta-feira, 1 de março de 2019

Agora pode encontrar scooters e bicicletas Lime em mais cidades no Google Maps



Em dezembro, a Google lançou um novo recurso que permitia que os usuários encontrassem limas e scooters no Google Maps em 13 cidades diferentes. Neste fim de semana, a empresa anunciou que está expandindo o recurso para mais de 80 cidades em todo o mundo. O Google vem constantemente adicionando opções de compartilhamento de viagens no Google Maps nos últimos anos, em parceria com empresas como Uber e Lyft. Como esses recursos, o aplicativo fornece aos usuários o local, o tempo necessário para percorrer o veículo selecionado e uma estimativa de preço.


A expansão está disponível para usuários iOS e Android, e traz o recurso para várias cidades nos Estados Unidos, bem como em outros países, como Inglaterra, Nova Zelândia, México e outros. O Google também diz que o recurso está chegando a outras cidades no futuro próximo.



Antes de vir para Portugal, a Lime fez uma verdadeira radiografia à cidade. Conclusões: “Lisboa é uma cidade densa com muito tráfego, especialmente no centro, registando diariamente a entrada de mais de 370.000 carros, e os seus habitantes estão muito conscientes disso”, explica Noa Khamallah,
As scooters elétricas são o futuro, acredita a Lime. Sustentáveis e mais saudáveis, ao usá-las, as pessoas têm mais flexibilidade, podendo evitar engarrafamentos, percorrer a cidade mais rapidamente e interagir com o ambiente urbano de forma diferente.

A Lime chegou à capital em colaboração com a Câmara de Lisboa, para trabalhar em conjunto em medidas sustentáveis de interagir com a cidade: “Sentimo-nos honrados por termos sido convidados pela autarquia para criar uma oferta de e-scooters em Lisboa”.
Embora as Lime-S sejam, no fundo, trotinetes elétricas, a geografia da cidade não preocupa a empresa: as scooters têm bastante potência para serem usadas no centro da cidade e por pessoas com diferentes pesos. 


Consultei os sites nit e The Verge no dia 01/03/2019.

7 formatos de áudio

Existem vários formatos de áudio alguns comprimidos e outros que não são comprimidos, mas qual o melhor para ti?

Provavelmente já conhecem muitos destes formatos de áudio mas eis uma lista de 7 formatos de áudio e as suas características:
  • MP3 - desenvolvido pela Moving Pictures Experts Group (MPEG) é provavelmente o formato de áudio mais utilizado. É um formato de áudio comprimido.
  • AAC - Advanced Audio Coding (AAC) é um formato popularizador pelo iTunes da Apple, parecido com MP3 mas com o beneficio de ser mais eficiente. É um formato de áudio comprimido.
  • WMA - Windows Media Audio (WMA) é desenvolvido pela Microsoft para ser um competidor do MP3. É um formato de áudio comprimido.
  • FLAC - Free Lossless Audio Codec (FLAC) é desenvolvido pela fundação Xiph.Org e é muito apelativo devido ao seu licenciamento royalty-free e formato aberto. É um formato de áudio comprimido.
  • ALAC -  Apple Lossless Audio Codec (ALAC) é a versão FLAC da Apple, fiel à sua qualidade e tamanho do ficheiro. É um formato de áudio comprimido.
  • WAV - Waveform Audio File Format (WAV), desenvolvido pela Microsoft, é o standard para sistemas Windows. É um formato de áudio não comprimido.
  • AIFF - Audio Interchange File Format (AIFF), desenvolvido pela Apple, é o standard para sistemas Mac. É um ficheiro de áudio não comprimido.



Consultei o site lifewire.com no dia 01/03/2019

Tutorial de JavaScript - Statements, Console.log e Batalha Naval

És iniciante em JavaScript e precisas de uma ajuda para começar? Realizámos um tutorial para ti! 

Eu (João Diniz) e o Pedro Soares realizámos um tutorial de JavaScript para te ajudar! Este tutorial aborda três tópicos:
  • Statements - o que são e como introduzi-los no código?
  • Console.log - para que serve, como aceder e enviar output do código para ela.
  • Batalha Naval - como funciona o mecanismo de deteção em JavaScript.
Consideramos estes tópicos e em geral este tutorial, essencial para qualquer pessoa que se quer iniciar no JavaScript já que estes três assuntos abordados são muito recorrentes no inicio da aprendizagem desta linguagem de programação. Temos a certeza de que vão achar o tutorial útil e podem vizualizá-lo abaixo através do YouTube. Fizemos um site de apoio alusivo ao tutorial cujo link se encontra abaixo do tutorial.



Este tutorial foi realizado no âmbito da disciplina Aplicações Informáticas B da Escola Secundária José Gomes Ferreira.
Tivemos como base para a realização do tutorial o livro Head First: JavaScript Programming e utilizámos o projeto Batalha Naval do utilizador do Github LearnTeachCode.
Utilizámos também os programas: Screencastify (plugin do Chrome para fazer captura de ecrã); OpenShot (programa de edição de vídeo gratuito, NLE); Microsoft Office Word (para escrever a introdução e conclusão); TextMate (editor de código); Google Sheets e Google Docs (para a planificação do vídeo).



terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

8 formatos de vídeo diferentes

Existem dezenas de formatos de vídeo diferentes, mas qual será o mais adequado para cada utilização?

Estes são 8 formatos de vídeo diferentes para que possas decidir qual aquele que vais utilizar no teu próximo projeto:
  • FLV (Flash Video Format) - é codificado pelo software do Adobe Flash e é suportado por players Flash, no entanto não pode ser reproduzido em iOS e outros sistemas operativos mobile.
  • AVI (Audio Video Interleave) - criado pela Microsoft é um dos formatos de vídeo mais antigos e pode conter vídeo e áudio em simultâneo, é suportado por muitos sistemas operativos e players.
  • MP4 Format (Moving Pictures Expert Group 4) - desenvolvido pelo Motion Pictures Expert Group é um formato bastante popular já que é suportado por bastante software. É de notar que o tamanho dos ficheiros é relativamente pequeno mesmo mantendo a qualidade do vídeo.
  • WMV (Windows Media Video) - desenvolvido pela Microsoft é o ficheiro mais pequeno desta lista já que comprime o vídeo sacrificando a sua qualidade, o que dá bastante jeito para enviar por e-mail.
  • MOV (Apple Quicktime Format) - desenvolvido pela Apple é bastante popular entre Macintoshes, e pode simulâneamente ser utilizado para ser reproduzido online. Existe um player disponível para Windows, no entanto os ficheiros costumam ser grandes já que têm muito alta qualidade.


Consultei o site filmora.wondershare.com no dia 26/02/2019

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

5 programas para criar legendas

As legendas são algo essencial para que pessoas que não entendem a nossa língua desfrutem do conteúdo que nós criamos.

Estes são 5 programas para que possas criar legendas para o teu conteúdo de forma fácil:
  • Aegisub Advanced Subtitles Editor - é talvez a melhor e mais poderosa ferramenta para criação de legendas. É gratuita, open-source e funciona em vários sistemas operativos e facilita a sincronização das legendas ao som.
  • Subtitle Edit - é dos programas mais conhecidos, é gratuito e é muito eficiente a criar, ajustar, sincronizar e traduzir legendas. Trabalha em mais de 170 formatos de legendas e está disponível em quase 30 línguas.
  • Subtitle Workshop - é considerado o programa mais conveniente e eficiente já que trabalha com os principais formatos de legendas e tem uma interface simples e intuitiva.
  • VisualSubSync - marca a diferença por utilizar os gráficos do som para facilitar a criação e sincronização de legendas. Conta com ferramentas que procuram erros, indicam a velocidade entre outras.
  • AHD Subtitles Maker - é um programa gratuito que permite ao utilizador criar a maior parte dos formatos de legendas de texto em minutos. Permite-nos criar legendas automaticamente sem ter de instalar scripts.



Consultei o site aiseesoft.com dia 25/02/2019

domingo, 24 de fevereiro de 2019

Ferramentas para editar PDF

Escolher uma ferramenta para editar um PDF pode ser difícil, especialmente pela variedade de ferramentas gratuitas e não gratuitas que existem disponíveis.

Aqui segue uma lista dos melhores editores de PDF gratuitos:

Foxit PDF Reader

O Foxit Reader é um editor que não requer instalação. Pode ser executado diretamente a partir da pen sendo um Portable.

Adobe Acrobat Reader

O programa da Adobe para editar PDF é extremamente versátil tendo imensas funcionalidades. 

PDF Editor da Miscrosoft

O editor de PDF da Miscrosoft é um programa para computadores com Windows e permite fazer edições de texto e imagem, até alterar cores, fazer seleções pontuais de conteúdo e rodar fotos em um documento salvo neste formato.


Existem inúmeras ferramentas para editar PDF online também, caso seja preferível:

https://www.pdfescape.com/windows/
https://smallpdf.com/pt/editar-pdf
https://www.pdfpro.co/

Fontes:
https://www.techtudo.com.br/listas/noticia/2016/02/os-melhores-editores-de-pdf-gratis.html
https://www.techradar.com/news/the-best-free-pdf-editor
https://www.pcworld.com/article/3215231/software/best-pdf-editors-reviewed-and-rated.html
https://www.digitaltrends.com/computing/best-pdf-editors/

Dicas de edição de vídeo

Dicas para criar um vídeo mais dinâmico e original

1. Correspondência áudio e vídeo

Quando se entrevista alguém é comum sobrepor o áudio a imagens/vídeo que corresponda ao que está a ser falado. Desta maneira, o vídeo fica mais atrativo, mais dinâmico e menos secante. Além disso, é uma maneira de mostrar informações de diferentes no mesmo intervalo de tempo.

2. Pensar na cronologia de eventos

O trabalho de ordenar as filmagens para o vídeo é do editor. Por vezes, a ordem pelas quais as sequências são filmadas não corresponde à ordem em que vão ser apresentadas no vídeo. O trabalho do editor é ordenar essas sequências de forma a fazerem sentido para o espectador. De forma a facilitar esta tarefa, por vezes os editores usam uma ferramenta auxiliar: um Storyboard. Desta maneira é mais fácil ordenar e organizar o nosso vídeo.

3. Som

O som é das partes mais importantes num vídeo. Um som ambiente não tem necessariamente que ser música ou voz, mas também um ruído ambiente, como carros ou chuva.

4. Transições

As transições são das partes mais importantes quando se monta uma sequência de vídeos. São importantes de forma a não cortar os vídeos de uma maneira brusca interrompendo a sua sequência natural.


Fontes:
https://www.ipf.pt/site/5-dicas-edicao-video/
https://fiqueisemcracha.com.br/top-dicas-para-iniciantes-em-edicao-de-videos/

Storyboard

Um storyboard é um organizador gráfico na forma de ilustrações ou imagens, exibidas em sequência com a finalidade de pré-visualizar uma trecho de animação, movimento, gráfico de movimento ou média interactiva. O processo de storyboard, na forma como é conhecido hoje, foi desenvolvido na Walt Disney Productions durante o início da década de 1930, após vários anos de processos semelhantes, usados na Walt Disney e em outros estúdios de animação.
Exemplo de storyboard


Muitos filmes silenciosos de grande orçamento tiveram apoio de storyboards, mas a maior parte deste material foi perdida durante a redução dos arquivos do estúdio durante os anos 1970 e 1980. O pioneiro de efeitos especiais Georges Méliès é conhecido por ter sido um dos primeiros cineastas a usar storyboards e arte de pré-produção para visualizar efeitos planeados. No entanto, o storyboard na forma amplamente conhecida hoje foi desenvolvido no estúdio da Walt Disney durante o início dos anos 1930. Na biografia de seu pai, a história de Walt Disney (Henry Holt, 1956), Diane Disney Miller explica que os primeiros storyboards completos foram criados para os três pequenos porquinhos da Disney de 1933. De acordo com John Canemaker, em Paper Dreams: The Art e Artists of Disney Storyboards (1999, Hyperion Press), os primeiros storyboards da Disney evoluíram dos quadrinhos como "esboços de histórias" criados na década de 1920 para ilustrar conceitos de curtas de animação. como Plane Crazy e Steamboat Willie, e em poucos anos a ideia se espalhou para outros estúdios.

De acordo com Christopher Finch em "A Arte de Walt Disney" (Abrams, 1974), a Disney creditou o animador Webb Smith ao criar a ideia de desenhar cenas em folhas de papel separadas e fixá-las em um quadro de avisos para contar uma história em sequência, criando assim o primeiro storyboard. Além disso, foi a Disney quem primeiro reconheceu a necessidade dos estúdios manterem um "departamento de história" separado com artistas de storyboards especializados (isto é, uma nova ocupação distinta dos animadores), pois ele percebeu que o público não assistia a um filme a menos que a sua história lhes desse uma razão para se preocuparem com os personagens. O segundo estúdio a mudar de "story sketches" para storyboards foi Walter Lantz Productions no início de 1935; em 1936 Harman-Ising e Leon Schlesinger Productions também seguiram o exemplo. Em 1937 ou 1938, todos os estúdios de animação americanos já estavam a usar storyboards.

"E Tudo o Vento Levou" (1939) foi um dos primeiros filmes de ação ao vivo a ser completamente encenado. William Cameron Menzies, o designer de produção do filme, foi contratado pelo produtor David O. Selznick para projetar todas as cenas do filme.

O storyboard tornou-se popular na produção de filmes live-action no início dos anos 1940 e tornou-se um meio padrão para a pré-visualização de filmes. A curadora da Pace Gallery, Annette Micheloson, escreveu a exposição Drawing into Film: Director's Drawings, considerada a década de 1940 a 1990 como o período em que "o design da produção foi amplamente caracterizado pela adoção do storyboard". Os storyboards são agora uma parte essencial do processo criativo.


Sites consultados: 
https://en.wikipedia.org/wiki/Storyboard

Quais as melhores linguagens de programação para a Robótica?


Quais as melhores linguagens de programação para a Robótica?

Resultado de imagem para linguagens de programação de robots

C/C++ são as linguagens de preferência em robótica. Existem muitas bibliotecas de hardware que usam estas
linguagens. Permitem a interação com hardware de baixo nível, correm em tempo real e são linguagens
bastantes estáveis e maduras. Na prática C++ é uma extensão de C e será provavelmente a mais usada. E
embora seja uma linguagem que exige muito mais linhas de código do que Python ou MATLAB, tem uma
muito melhor performance, o que é importante em robótica, onde a resposta em tempo real é fundamental.
Python é uma linguagem muito simples de usar que não exige, por exemplo definir tipos de variáveis e outras
coisas que consomem bastante tempo de programação. Por outro lado, o facto de permitir uma ligação com
código C/C++, implica que as partes com necessidade de performance podem ser construídas nessas
linguagens.
MATLAB (e os seus derivados Open Source como o Octave) são muito usados para analisar dados e
desenvolver sistemas de controle avançados.
Dentro das diversas linguagens existentes (há mais de 1500), há as que são específicas dos fabricantes de
robots industriais (ABB tem o RAPID, a Kawasaki tem o AS, a Kuka o KRL, etc), embora haja algumas
tentativas de standardização (ROS Industrial), as linguagens de fabricante ainda dominam no mundo
industrial.
As linguagens de HDL (Hardware Description Languages) são uma forma programática de descrever os
componentes electrónicos e são usadas para programar FPGAs (Field Programmable Gate Arrays), que são
uma forma de criar uma abstração dos componentes electrónicos, permitindo “criar” novos componentes
sem ter que os fabricar. São importantes na prototipagem de hardware.
Assembly é uma linguagem de muito baixo nível, que era quase obrigatória para a programação de
componentes electrónicos de base. Com o aparecimento do Arduino, passou a ser possível programar
usando C/C++, deixando por isso de ser tão usada.
Java é uma linguagem bastante popular e ensinada, porque teoricamente não sendo uma linguagem
compilada, mas sim interpretada, tem o seu código portável.  Embora na prática isso nem sempre aconteça
levando a que o código seja lento, é bastante popular em várias áreas da robótica.

Referências:
https://blog.robotiq.com/what-is-the-best-programming-language-for-robotics

Quais os principais componentes de um robot?


Quais os principais componentes de um robot?

As principais componentes de um robot são:
Imagem relacionada
Sistema de controle – reage a estímulos do exterior, através de código escrito para processar esses sinais.
É o que permite ao robot interagir com o contexto que rodeia.
Sensores – são dispositivos de input de dados do meio ambiente, que permite ao robot saber coisas como a
sua posição relativa e absoluta, que objetos o rodeiam, luzes e sons, entre muitos outros. A partir destas
informações, o seu sistema de controle irá reagir e definir as suas ações.
Atuadores (Actuators) – são os mecanismos que permitem que o robot se mova em reação aos inputs que
receberam dos sensores e do processamento do sistema de controle. Os “corpos” dos robots são feitos de
metal, plástico, borracha e outros materiais, e terão as articulações que lhes permitem mover e executar as
tarefas para que foram criados.
Fonte de energia – é necessária uma fonte de energia para que todas as componentes do robot funcionem.
Geralmente a energia é elétrica e provém de baterias.
Actuadores de extremidade – são componentes que se aplicam às extremidades dos robots (“braços”) e que
permitem que eles executem as suas funções (pistola de tinta em robots pintores, pinças para robots
industriais, etc).

Referências:
https://sciencing.com/main-parts-robot-7403157.html

http://www.yourarticlelibrary.com/robots/robots-5-important-components-of-robots/5692

O que é a Robótica?

O que é a Robótica?
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/6c/Atlas_from_boston_dynamics.jpg/250px-Atlas_from_boston_dynamics.jpg
A robótica é uma área multidisciplinar da engenharia, que inclui engenharia mecânica, eletrónica,
informática, e ciência computacional, entre outras. A robótica está focada no design, construção, operação e
uso de robots (dispositivos eletromecânicos capazes de realizar tarefas de forma autónoma ou programada).
Um robot seria um dispositivo automático com ligações que retroalimentam (feedback) com informação
(sensores) e mecanismos que permitem atuar sobre o ambiente. Os chamados atuadores (mecanismos de
interação com o ambiente) podem ser diversos (elétricos, pneumáticos, sonoros, etc).
Entre as principais componentes, um robot tem:
- uma estruturação mecânica, que permite movimento para cumprir uma determinada tarefa (ou tarefas)
- componentes elétricos que dão energia (baterias, motores), recebem e passam informação (atuadores)
 para controlar o robot.
- código de programação, que permite usar a informação que recebe do meio ambiente e reagir em
conformidade.
A utilização dos robots acaba por ser tão variada como as funções desempenhadas pelos humanos,
nomeadamente na indústria, medicina, militar, construção, tarefas domésticas, limpezas, salvamentos,
exploração espacial, etc.

Referência:


GitLab

O GitLab é uma ferramenta de criadores de conteúdo na web que fornece um repositório Git, usando uma licença de código aberto, desenvolvidapela GitLab Inc. O software foi criado pelo Dimitry Zaporozhets e Valery Sizov, e é usado por várias empresas como a IBM, Sony e a Alibaba.
O código foi originalmente escrito em Ruby, com algumas partes posteriormente reescritas no Go, inicialmente como uma solução de fonte de código para colaborar com a sua equipa no desenvolvimento deste software.
Esta aplicação segue um modelo de desenvolvimento de núcleo aberto, no qual a funcionalidade principal é libertada sob uma licença de código -fonte aberto, enquanto a funcionalidade adicional está sobre uma licença proprietária.


Mensagem em destaque

Impacto da IoT nas Smart cities (parte 02)

Governo inteligente: Analisar reclamações e preocupações apresentadas pelos cidadãos devido a melhores capacidades sensorial ajuda a res...