quinta-feira, 11 de maio de 2017

Fotógrafa de guerra capta o momento da própria morte



Foi há quase quatro anos que uma violenta explosão de um tubo de argamassa tirou a vida a Hilda Clayton, fotógrafa de combate do Exército norte-americano, que se encontrava no Afeganistão a testemunhar exercicíos de tiro. De câmara na mão, Hilda Clayton tirou uma última fotografia, segundos antes de morrer. Agora a edição bimensal da revista do Exército dos Estados Unidos, de maio e junho, a ‘Military Review’, divulga as fotos inéditas e oferece uma visão assombrosa sobre os momentos finais da jovem.

De acordo com o jornal norte-americano ‘The Washington Post’, Hilda Clayton tinha apenas 22 anos e tinha sido destacada há menos de uma ano para cobrir os desenvolvimentos no Afeganistão, numa altura em que o Exército afegão se aliava às forças norte-americanas para pôr fim a um conflito que durava há quase quinze anos. Num breve artigo sobre o incidente, a ‘Military Review’ elogia os serviços prestados por Hilda Clayton, afirmando que ela morreu a documentar uma “conjuntura histórica crítica” da Guerra.





Consultado a 11 de maio de 2017

Sem comentários:

Enviar um comentário