sábado, 18 de março de 2017

Breve história da linguagem Javascript

 Hoje em dia, Javascript é uma das linguagens mais reconhecidas a nível mundial, mas será que foi sempre assim? Mergulhemos um pouco na história desta linguagem...

 A linguagem Javascript foi criada pelo americano Brendan Eich no ano de 1995, originalmente com o nome de "Mocha", num clima de forte competição pelo browser mais interativo e flexível entre aNetscape (empresa criadora do JavaScript), que possuía como browser o "Netscape Navegator" e a Microsoft, tinha como browser o conhecido Internet Explorer.


 Durante a sua versão de teste, foi atribuído à linguagem "Mocha" (na altura) o nome "LiveScript", numa tentativa de dar a entender ao programador que este código servia para dar vida às suas páginas Web, no entanto, com o sucesso da linguagem Java, criada pela Sun Microsystems nesse mesmo ano, a Netscape decidiu mudar o nome de LiveScript para JavaScript, como forma de associar a sua linguagem a tal sucesso, e de certa forma, de tirar partido dele. No entanto, a Microsoft ripostou e criou a sua própria linguagem de programação à qual deu o nome de JScript.

Entretanto, a linguagem JavaScript cresceu, padronizou-se e deu origem à ECMAScript, um conceito que engloba todas as versões e implementações destas linguagens ao longo do tempo, de forma a facilitar a vida ao programadores. No entanto, mesmo com a criação desta linguagem globalizada, a internet continuava dividida entre duas grandes linguagens de programação (JavaScript e JScript) com conceitos tão próximos, mas com diferenças que, apesar de minuciosas, eram muito importantes, o que obrigava os programadores a adaptarem o seu código para ambas as linguagens, gerando muitas dores de cabeça. Felizmente, com o passar do tempo, as diferenças entre ambas as linguagens tornaram-se quase inexistentes.


 Apesar do seu potencial, a princípio, JavaScript era visto como uma linguagem amadora, sendo um pouco desprezada dentro da Web, no entanto, em 2005 isto viria a mudar, com a criação do GoogleMaps (pela Google), que demonstrou ao mundo o potencial desta linguagem na criação de páginas Web dinâmicas, e que catapultou JavaScript para o topo das tabelas das linguagens mais populares.

 Hoje em dia, JavaScript, apesar de pouco ter mudado face à sua primeira versão, está em boas mãos, estando constantemente a ser melhorada por génios da programação, contando com mais parâmetros, melhores velocidades de carregamentos e um futuro bastante promissor.

Sem comentários:

Enviar um comentário