Pesquisar aqui

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Estudo conclui que menos de 30 minutos em redes sociais diminui o risco de depressão e solidão



Um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia descobriu que limitar o uso de redes sociais a 30 minutos por dia pode levar a melhorias significativas no bem-estar.
Especificamente, menos tempo a percorrer fotografias de amigos e conhecidos da primária pode reduzir as taxas de depressão e solidão.


O estudo - publicado no Journal of Social and Clinical Psychology de dezembro - foi um dos primeiros a mostrar uma relação de causa e efeito entre o uso de redes sociais e problemas de saúde mental. A maioria dos estudos anteriores sobre o assunto mostrou apenas uma correlação entre os dois.

No estudo, 143 estudantes foram testados ao longo de dois semestres. Os alunos foram colocados num grupo que foi instruído a limitar o seu uso de redes sociais no Facebook, Instagram e Snapchat a 30 minutos por dia, total, com 10 minutos cada por plataforma, ou atribuído a um grupo de controlo, onde eles podiam continuar com seus hábitos normais de mídia social.

Após três semanas, os alunos foram questionados para avaliar a sua saúde mental em sete áreas diferentes, incluindo: apoio social, medo de perder (também conhecido como FOMO), solidão, autonomia e auto-aceitação, ansiedade, depressão e auto-aceitação e auto-estima.

"Aqui está a linha de fundo", disse Melissa Hunt, principal pesquisadora do estudo, ao Science Daily. "Usar menos redes sociais do que normalmente levaria a reduções significativas tanto na depressão quanto na solidão. Esses efeitos são particularmente pronunciados para as pessoas que estavam mais deprimidas quando entraram no estudo."




Nenhum dos grupos mostrou melhorias no apoio social, autoestima, ou autonomia e auto-aceitação. No entanto, em ambos os grupos - talvez por simplesmente fazer parte do estudo - os alunos encontraram seus níveis de ansiedade e declínio do FOMO. Em geral, é importante relembrar que estudos como estes não podem testar todos os fatores que podem afetar a saúde mental.




Consultei os sites Independent, ChildMind e LiveScience no dia 19/11/2018.




Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente de forma construtiva...