Pesquisar aqui

domingo, 1 de novembro de 2020

Realidade virtual na medicina

   A ideia de que a mente ajuda na recuperação é bastante verdade. E acredites ou não, a VR pode ajudar. Muitos médicos já trocam o uso intensivo de medicamentos após uma cirurgia, por exemplo, pela imersão no ambiente virtual, que passa tranquilidade e paz para acalmar a mente.A Realidade Virtual é uma tecnologia que vai muito para além dos jogos que a tornaram conhecida. O tratamento de fobias e os treinos cirúrgicos são dois exemplos de aplicações na área da medicina.

   Enganam-se aqueles que pensam que a RV só serve para jogar e ver vídeos. Cientistas, médicos, investigadores clínicos e professores de medicina estão, cada vez mais, a aplicar a tecnologia à pratica da atividade, para facilitar os treinos clínicos e os diagnósticos. Na       Universidade de Stanford, por exemplo, foi criado um programa de VR para simular uma cirugia endoscópica dos seios da face. Assim, os profissionais testam antecipadamente e ensaiam o procedimento para obterem melhores resultados.A VR também tem sindo usada para tratar pacientes psiquiátricos, que podem encarar os seus medos no ambiente virtual e quebrar padrões, ou aqueles que sofrem de estresse pós-traumático, especialmente os veteranos de guerra.

Simulação cirugica:

  Numa situação normal, os alunos colocam-se atrás do médico e observam todo o processo cirugico enquanto o mesmo decorre. Com as possibilidades oferecidas pela RV a prática tradicional pode ser sustituida pela criação de uma sala virtual com inúmeras operações a decorrer em loop .Assim, os alunos conseguem assistir mais facilmente a tudo , poem ver e rever a cirugia em correr riscos associados á prática . Em 2015 foi lançada uma app para RV, a Osso VR que permite simular o ambiente de uma sala de cirugia para que o utilizador possa treinar, a montagem de equipamento ,por exemplo.  


                                    https://ossovr.com/




Tratamento de fobias e stress pós-traumatico

Uma fobia é uma perturbação que cria medo ou uma repulsa persistente de um determinado objeto ou situação. Muitas vezes, estas perturbações podem durar meses ou até mesmo anos, criando grande  desconforto e grandes níveis de stresse ao paciente quando submetido à situação causadora do medo.

A Realidade Virtual é uma opção que começa a ser utilizada por psiquiatras para tentarem ajudar o paciente a superar as suas fobias. Isto porque uma das melhores maneiras de derrotar um medo é, precisamente, enfrentá-lo, e a RV permite simular diferentes ambientes que expõem o utilizador sem que este perca o controlo da situação. Assim, é possível parar a experiência quando sentir que está no limite e manter a segurança de estar rodeado pelo medo mas apenas num mundo virtual.

A aplicação Arachnophobia, da IgnisVR é um bom exemplo. Foi criada a pensar nas pessoas que têm medo de aranhas e, nesta app, o paciente pode ser colocado numa sala que, inicialmente estará vazia. Aos poucos, com o passar de níveis, vai surgindo uma aranha, duas, três, até ficar rodeado delas.Esta é uma das maneiras de enfrentar o medo de aranhas a um ritmo que é totalmente controlado pelo paciente. Aplicações deste género existem para diferentes fobias, inclusive o medo de alturas.O mesmo sistema de terapia por exposição pode ser utilizado para o tratamento do stresse pós-traumático, utilizando a RV para recriar o ambiente vivido pela pessoa (um soldado, por exemplo), ajudando a que o paciente compreenda o que aconteceu naquele momento, para aprender a lidar com a situação num ambiente mais controlado.


Estes foram apenas alguns exemplos das várias maneiras em como podemos utilizar a Realidade Virtual .

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente de forma construtiva...

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.